Tradição e Aventura

You Are Here: Home / Tradição e Aventura

Links

Categories:

   

Municípios da área do Parque Natural Serras de Aire e Candeeiros

         Torres Novas  Vila de Alcanena

Comunicação Social

       O Mirante       Jornal o Ribatejo

      Hiper FM

Piscinas Municipais

Categories:

Concelho

Categories:

Origem e História de Rio Maior

Encontram-se vestígios da presença humana na região, tais como as descobertas arqueológicas nas grutas de N. Sra. da Luz, que remontam à pré-história, à época do Homo-Erectus.

Como factores preferenciais nesta região, podemos apontar a existência de abundante caça, ao clima ameno e ainda a existência de grandes quantidades de sílex, materia prima necessária ao fabrico de utensílios. De facto, foram também encontrados machados, vasos, furadoures de osso e outros utensílios de sílex.

Por aqui se fixaram romanos e árabes, conforme o provam os diversos vestígios encontrados por toda a região. Este povoado, contudo, perdeu-se por completo. Só no início da nacionalidade se criou uma pequena aldeia na margem direita do rio Maior, que lhe deu o nome. Aos poucos esta povoação foi-se desenvolvendo. Encontram-se referências a esta povoação na venda da quinta efectuada, em 1177, por Pero Aragão e sua mulher Sancha Soares à Ordem dos Templários.

O rei D. Fernando frequentava esta zona para caçar e por cá se instalaram as tropas do Infante D. Pedro, Duque de Coimbra, para descansar quando se dirigiam para Alfarrobeira. D. João IV elevou Azambujeira a vila e tornou-a sede de Concelho, mas ficando sempre dependente de Santarém. D. Miguel esteve aqui instalado e aqui teve conhecimento do resultado da batalha de Almoster. D. José I, em 1766, criou o Hospital da Misericórdia de Rio Maior e criou a Feira Anual de Rio Maior, esta mesma Feira que ainda hoje se realiza, com a denominação de Feira da Cebola.

Em 1834, por decreto de D. Maria I, foi extinto o concelho de Azambujeira. Pouco tempo depois, em 6 de Novembro de 1836, foi criado o Concelho de Rio Maior. Foi elevada a cidade em 14 de Agosto de 1985, por Decreto nº 36/85 de 14 de Agosto. Possui indústrias alimentares, de madeiras e de cerâmica, sal-gema e linhite, estas duas as maiores reservas do país.

Rio Maior foi elevada a sede de concelho a 6 de Novembro de 1836 por decreto de D. Maria II. Anteriormente, Rio Maior pertencia ao concelho de Azambujeira que fora criado em 27 de Maio de 1633 por Filipe de Portugal e agora extinto.

Inicialmente o concelho de Rio Maior ficou constituído pelas freguesias de Rio Maior, Arruda dos Pisões, Azambujeira, Outeiro da Cortiçada, São João da Ribeira e Abitureiras.

Logo a 4 de Junho de 1837 a freguesia de Abitureiras foi desanexada de Rio Maior e passou a fazer parte do concelho de Santarém.

Em 1855 as freguesias de Alcobertas e Fráguas passam a pertencer a Rio Maior devido à extinção do concelho de Alcanena que passou a ser uma freguesia de Santarém.

Em 1877 aparece a freguesia da Vila da Marmeleira por desanexação do lugar de Marmeleira de São João da Ribeira.

Em 1962 São João da Ribeira volta a dividir-se, surgindo assim a freguesia de Arrouquelas. Em 1984, novamente São João da Ribeira é dividida e surgem assim as freguesias de Ribeira de São João e de Malaqueijo. Mas também neste ano surge a freguesia de São Sebastião por divisão de Fráguas e a freguesia de Asseiceira por divisão de Rio Maior.

Em 1985 Rio Maior é elevada a Cidade. Em 1989 o concelho de Rio Maior ficou com a divisão administrativa actual com a formação da freguesia de Assentiz por divisão da Vila da Marmeleira.

Gente da nossa Terra

Categories:

GENTE DA NOSSA TERRA

Convidamos-te a fazer parte desta iniciativa que pretende … ligar a “Memória à História”

Objetivos:

Criar uma plataforma “online” de diálogo e partilha de histórias do passado da nossa terra, envolvendo também os nossos concidadãos além fronteiras;

Promover a investigação e o desenvolvimento sobre o nosso território do passado, para criar um futuro Centro Interpretativo Museológico da Freguesia;

Se tens documentos antigos, fotos, histórias para contar ou outro espólio, partilha ou entra em contacto connosco, para dar a conhecer o passado das nossas gentes.

deixe aqui o seu ficheiro:

Assembleia Geral de 9 Dezembro de 2016

Categories:

Proposta na sessão da Assembleia Geral de 9 Dezembro de 2016

Quotas dos associados em atraso;

(anulação de pagamento)

A direção propõe perdão para todos os associados que tiverem as quotas por pagar até 31 Dezembro de 2015, desde que sejam pagas na totalidade as quotas do ano de 2016 e  as quotas de 2017 até 31 dezembro do mesmo ano.

Assim será estabelecido um período de pagamento com a duração de três meses após a publicação desta deliberação nos meios de comunicação interna da Adiafa e outros locais públicos.  

A proposta foi aprovada por unanimidade.

 O presidente da assembleia geral- Luís Morais

Roteiro de Cidadania

Categories:

A Adiafa será a promotora do Roteiro Cidadania em Portugal: PARAR, PENSAR, AGIR! em Rio Maior

Este Roteiro que vai desafiar as redes e as comunidades locais de todo o país numa viagem de descoberta, reflexão e ação sobre cidadania e participação.

Uma equipa de animação e comunicação e uma carrinha, devidamente equipada com recursos lúdico-pedagógicos, vem ao nosso concelho com Workshops com os seguintes temas:

1- Terriórios Sustentáveis

2- Ambiente e Bem Estar

Tendo como Objectivo fazer os cidadãos

PARAR para dialogar e partilhar informação e conhecimento acerca da Cidadania e Igualdade.

PENSAR, conjuntamente com as comunidades e as redes locais de parceria, estratégias de territorialização de políticas públicas.

AGIR em prol da Cidadania e Igualdade, impulsionando todos/as os/as agentes de desenvolvimento social e mobilizando os recursos adequados em cada contexto.

As inscrições para estes workshops são gratuitas,  para se inscrever clique no botão a baixo: 


para se inscrever clique no botão a baixo: 

Para mais informações entre em contacto com
Adiafa (www.adiafa.pt)

Organização:
Animar- associção portuguesa para o desenvolvimento local
Secretaria de Estado para a Cidadania e a Igualdade
Adiafa- associção desenvolvimento integrado da freguesia de Alcobertas

com o Apoio:
Câmara Municipal de Rio Maior

À Descoberta da Região de Alcobertas

Categories:

Síntese histórica das origens da nossa região:

Sabemos por investigações várias que o Mar de Thetis cobriu parte do nosso concelho. Seriam portanto paquidermes e ostras crassissinas os primeiros seres vivos da região? Estes animais, fossilizados formariam os estratos em que assentaram depois grandes florestas em chamas e lavas de vulcões intensíssimos quando o mundo a Terra se formava, rubra incandescente em cósmicos cataclismos cíclicos que alternavam com períodos gelados de glaciares. Assim de maneira elementar explica a formação das rochas da região de Rio Maior.

Por esta região passaram animais como Mastodonte, Dinossáurios…

read more →

Comunicação e Marketing

Categories:

A estratégia de comunicação e marketing passará por divulgar o que Alcobertas tem de melhor através dos três eixos estratégicos:

Eixo- PATRIMÓNIO

Eixo- PRODUÇÃO AGRO ALIMENTAR 

Eixo- DESPORTO, SAÚDE E BEM ESTAR

Agroalimentar

Categories:

No tocante a área de produção de bens alimentares e no que se enquadra a lógica de atuação da Adiafa, pretende-se:

Promover a produção extensiva agropecuária e produção agrícola integrada/biológica;

Incentivar e apoiar os proprietários para criar e desenvolver um Circuito Curto de Agroalimentar

Valorização dos produtos locais – Churrasqueira “Sabores Dólmen”;

Recolha de azeitona e transformação em azeite;  

Organização de eventos;

Visitas de estudo.

 

CONCEITO DE CIRCUITO CURTO AGROALIMENTAR (CCA)

Um modo de comercialização dos produtos agroalimentares que se efetua por venda direta do produtor ao consumidor ou por venda indireta através de um único intermediário.

A ele se associa uma proximidade geográfica (concelho de produção e concelhos limítrofes) e relacional entre produtores e consumidores. A definição remete para os seguintes aspetos distintivos:

  • A origem local e identificada do produto
  • Rastreabilidade e sazonalidade;
  • O produtor, para além da intervenção direta na produção, também interfere frequentemente na transformação e comercialização dos produtos;
  • Os produtos transformados utilizam matérias-primas provenientes das explorações locais;
  • O consumidor tem acesso a informação sobre a origem do produto, o seu modo de produção e as respetivas qualidades específicas;
  • O fluxo de comunicação entre produtores e consumidores permite criar confiança mútua e diferenciar os produtos locais dos restantes.

Os circuitos de comercialização de proximidade não são novos. No entanto, assumem hoje em dia novas dimensões e diversificam-se, em resultado da conjugação de uma multiplicidade de motivações por parte de consumidores e produtores.

A possibilidade de comprar produtos locais diretamente ao produtor é, para muitos consumidores, a forma mais satisfatória de garantir a qualidade, rastreabilidade e autenticidade os produtos e uma maneira de apoiar a economia local. As preocupações pelas questões ambientais têm levado igualmente a um interesse crescente por métodos alternativos de comercialização dos alimentos.

Os produtores, que não possam ou não pretendam aceder às exigências estabelecidas pelas cadeias de distribuição, optam por comercializar os seus produtos através de circuitos curtos. A aposta não é apenas escoar e remunerar melhor os produtos ou valorizar a qualidade e a singularidade de alguns deles, mas frequentemente conseguir obter o reconhecimento social da sua atividade.

Saiba Mais PDF

Recursos Naturais, Património, Turismo em Espaço Rural

Categories:

Património

Recuperação e Preservação do Património

São apostas claras no domínio da valorização cultural, patrimonial e arqueológico, com vista à criação de um modelo de desenvolvimento turístico associado à área natural adjacente (Serra de Aire e Candeeiros).

Terá como objetivo desenvolver a oferta turística com atividades no âmbito do património histórico cultural e ambiental da região; Conhecer e recrear atividades/tradições nas suas mais variadas vertentes;

 

Turismo em Espaço Rural

O TER apresenta características próprias que pouco têm em comum com as modalidades convencionais de turismo, em virtude de esta atividade ter como objetivo essencial proporcionar aos utentes a oportunidade de contactar com as práticas, valores, gastronomia e tradições culturais características das sociedades rurais, beneficiando da sua hospedagem e de um acolhimento personalizado.

A freguesia de Alcobertas tem ótimas condições para a oferta de produtos agroalimentares e turísticos alternativos ao tradicional turismo de sol e praia, passando o aumento da competitividade do sector no Turismo em Espaço Rural pela tomada de um conjunto integrado de medidas, que envolva os diversos agentes económicos, associativos e entidades públicas.

default
en_GB
es_ES
fr_FR
pt_PT
en_US